sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

SEMINÁRIO VICENTINO TEM NOVO PADRE.

A Congregação da Missão, Província Sul, no Brasil, arquidiocese de Curitiba, ganhou novo Padre, neste último sábado 10 Fevereiro de 2018.
A ordenação Presbiteral, aconteceu na Paróquia São Sebastião, ás 16h00       em Bateias - Campo Largo - Pr, com a oração da igreja, presente, através de diversos sacerdotes, co-irmãos, Provincial Pe.Odair, seminaristas, Irmãs Vicentinas, familiares, lideranças Pastorais, e o Povo de Deus. 
O novo Presbítero, Leandro Maeski CM, foi ordenado com a imposição das mãos de Dom Rafael Biernaski, bispo da Diocese de Blumenau, SC.
Pe.Leandro Maeski CM, tem a missão, a partir de agora, de trabalhar como vigário, na Paróquia Santa Cândida, com: Pe.André Marmilicz CM, CCPs, e está responsável pelo Seminário Propedêutico da Congregação da Missão, na formação dos seminaristas.
No vídeo a cima, a celebração de ordenação Pe.Leandro Maeski CM, que tem como lema, "Fazei o que Ele, vos disser, ( Jo 2,5)". 
Matéria: Tarcísio Cirino
11-02-2018




DOM FRANCISCO: VAMOS VER SE A IGREJA, PÕE OS PÉS NO CHÃO..


                                     

 Neste último domingo, 7 janeiro 2018, em território missionário, Guarani das Missões, Rio Grande do Sul, Dom Francisco Cota, soltou o verbo,durante a homilia, levando todos(as) a uma profunda reflexão.

No momento final, na benção de envio; Dom Francisco, pediu que as crianças, fosse até o presépio, retirasse o menino Jesus, e levasse Jesus, para suas casas. ( Vale a pena conferi o vídeo )

A Santa Missa, em comemoração aos 30 anos de ordenação sacerdotal do Pe.André Marmilicz CM, teve a presença de diversos sacerdotes, lideranças,  Povo de Deus, familiares e dona Verônica, Mãe do Pe.André, que comemorou neste domingo, o aniversário de 85 anos. 

Matéria: Tarcísio Cirino
10-01-2018

REFLEXÃO: EVANGELHO DOMINICAL

Nossa Reflexão: MC 1,40-45
A estrutura religiosa do tempo de Jesus, é muito bem organizada, e parte de suas diretrizes está dentro do que chamamos hoje, no mundo atual, "Teologia da Prosperidade."
O Mestre Jesus, ao escolher a sua equipe de trabalho, "Vem Segue Me", leva os discípulos, para sua escola, á conhecer na prática, abrindo os seus olhos, para a triste realidade da estrutura religiosa daquele tempo, que exclui as pessoas que não tem posses, os miseráveis, Pobres, enfermos, colocando os a viver marginalizados e excluídos da comunidade.
Jesus entra na Sinagoga, com sua equipe, e a comunidade, percebe que Jesus, ensina, com autoridade.
Ao sair da Sinagoga, e estender a Mão, a sogra de Simão, e realizar a cura, da mulher enferma, as notícias repercutiram na comunidade e na sociedade.
Na liturgia deste (6) Domingo do Tempo Comum, vemos um homem enfermo, um leproso, que pelas diretrizes religiosas, daquele tempo, o enfermo, leproso, deveria procurar o sacerdote, mais o enfermo quebra o rito, porque sabe que indo até o sacerdote, será excluído da Sinagoga, da Comunidade, Sociedade, sendo declarado impuro, pelo sacerdote.
Diante do contexto, o leproso vai até Jesus, e de joelhos, súplica, "Se quiseres, poderás limpar-me".
O Mestre Jesus, sabe que-se, tocar no enfermo, leproso, pelas normas: as diretrizes religiosas daquele tempo, também "Ele Jesus, será declarado, Impuro, pelos sacerdotes".
Mais o Bom Jesus, quebra o rito, e se compadese, da enfermidade daquele homem leproso, "Estende a Mão, toca o enfermo e diz: Eu quero, fica limpo".
Ao tocar e curar o leproso, agora Jesus passa a ser um excluído, um marginalizado, e terá que viver caminhando, pelas periferias com os Pobres, miseráveis, enfermos, levando a todos(as) que sofre, o projeto da salvação.
Jesus é um Leigo, Impuro, para as estruturas, daquele tempo.
Na próxima semana, não perca, "Nossa Reflexão': 1º Domingo da quaresma 2018

Texto Reflexão: Tarcísio Cirino
09-02-2018


Nossa Reflexão: MC 1,12-15
1º Domingo da quaresma 2018

Israel não era uma nação independente, e a Judéia, era província do Império Romano.
Roma impunhava suas diretrizes(Leis), mais era tolerante com os Países, conquistados, desde que a colônia não-se rebelasse, contra as "leis do Império Romano".
O Sinédrio em Jerusalém, funcionava como um sistema de representação, Jurídico, Político, Religioso.
O templo com sua imponente liturgia, tinha perdido o monopólio, e por interesses, religiosos políticos, conseguia unir; fariseus, saduceus, essénios, zelotes, Galileus, herodianos, publicanos, escribas, e outras seitas.
Os sacerdotes nomeados, segundo, a "velha lei", tinha autoridade diante do Povo, mais as suas palavras, não tinha credibilidade.
É dentro deste contexto social e religioso, que aparece, João Batista, o último dos profetas, preparando o Povo, através de um batismo de conversão, para a chegada do messias.
Certo dia, enquanto o Batista, realizava o batismo, viu Jesus se aproximando do rio Jordão.
E João diante da multidão, diz: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo".
Jesus, entra no rio Jordão e vai até João, para também receber o batismo.
João Batista, não compreênde atitude de Jesus, e diz: "Eu é quê devo ser batizado, por ti e tu vens a mim?
Jesus, responde; " Deixa agora, pois convém que assim cumpramos, toda a justiça".
Ao realizar o batismo, o céu se abriu e o "Espírito, desceu sobre Jesus e uma voz do céu, diz: Tu és o filho amado, de ti, Eu bem me agrado".
Na liturgia deste (1º) primeiro domingo da quaresma, vemos Jesus, que após o Batismo, vai para o deserto, onde na força do "Espírito Santo, durante 40 dias, faz uma profunda reflexão, diante de sua missão, no percurso de sua caminhada durante a vida, como filho de Deus: E por Satanás é tentado.
Nossa Reflexão: não perca na próxima semana, o (2º) segundo domingo da quaresma.
Texto Reflexão: Tarcísio Cirino
16-02-2018 


A PALAVRA CHAVE É SILÊNCIO!!

Em tempos onde convivemos com a Pós-Verdade;  Palavra Tolerância, pode ser a Palavra do momento, a "Chave" que abre as portas para a Interação a novos horizontes, para uma nova aurora em nossa caminhada.
Como sabemos o cristianismo não nasce de uma filosofia, mais nasce de uma Pessoa, e diante da Pós-Verdade a Palavra "Chave" é o Silêncio, para que possamos ouvir, escutar, discernir melhor para depois comunicar.
De fato em tempos de Pós-Verdade, tempos do culto ao corpo, onde-se esconde as carências em busca do aplauso;  é preciso urgente um olhar a realidade tal como elá é, e diante da Verdade, é preciso comunicar com competência estratégica a Verdade com .
Mais isso exige maturidade;  a Palavra Chave, é Papa Francisco, é preciso ouvir, e para ouvir é preciso "Silêncio", para pode escutar e depois comunicar, até as ultimas consequências.
Texto: Tarcísio Cirino
29-08-2017